Todos os posts de Tâmara Silva

Deputado Wellington do Curso envolve a população no combate a contratação irregular

Durante esta sexta-feira (23), o deputado estadual Wellington do Curso (PP) realizou audiência pública na cidade de Lago Açu. A audiência, que aconteceu na sede do Simproesemma do município, teve por objetivo tratar sobre a convocação dos aprovados no concurso de 2016.

Na ocasião, inúmeros aprovados mostraram-se descontentes com a não convocação até o presente momento.

“Eu não estou pedindo favor. Eu estudei, me dediquei e passei em primeiro lugar. Por que fizeram concurso, se não iriam convocar? Espero que seja feito logo algo. Isso é desrespeitoso”, desabafou Marta Santana, que foi aprovada em primeiro lugar para o cargo de enfermeiro.

Na tentativa de justificar a não convocação dos aprovados, o Procurador do município, Robson Nascimento, disse que só não houve ainda a convocação porque ainda há dúvidas quanto à legalidade do concurso, mas deixou claro que o objetivo da atual gestão é nomear os aprovados.

“Nós estamos apurando ainda possíveis irregularidades no concurso, mas desde já eu quero deixar claro que a atual gestão tem sim interesse em nomear os aprovados no concurso. Esperamos tê-los em nosso meio nos próximos meses”, afirmou.

Sobre a situação, Wellington destacou a emergencialidade em se adotar providências e fez referência a postura do Ministério Público.

“Já encaminhamos ofício ao Ministério Público e esperamos que ingressem com uma ação a fim de apurar essa situação. Nosso objetivo aqui é encontrar um ponto comum entre os interesses dos aprovados no concurso e também da Prefeitura. Enquanto deputado estadual, não posso nomear. No entanto, reafirmo meu compromisso com os aprovados em concurso público é, assim, com a moralidade. Combater contratações irregulares é lutar por uma Gestão mais eficiente”, disse Wellington.

Após a audiência pública, elencou-se alguns encaminhamentos, entre eles a oficialização da empresa responsável pela realização do concurso e, posteriormente, reunião entre aprovados, Ministério Público e Assembleia Legislativa com o intuito de sanar quaisquer dúvidas sobre a irregularidade no trâmite do certame.

Violência Psicológica: Palavras que machucam

Não é preciso levar um tapa para estar em uma relação violenta. Um cara pode espancar a autoestima de uma mulher só com o que ele diz.

Foto: Getty Images

Não é preciso levar um tapa para estar em uma relação violenta. Um cara pode espancar a autoestima de uma mulher só com o que ele diz.
Foto: Thinkstock

Tudo era lindo e incrível. A gente vivia na balada”, lembra a fiscal de operações Paula F, 29 anos, sobre os três anos e meio em que namorou antes de se casar. Mas depois de dois anos de casamento, a harmonia deu lugar a um ciúme injustificável por parte do marido. “Ele ia aos happy hours da empresa dele e voltava de madrugada. Quando era a minha vez, ele me ligava à meia-noite em ponto e gritava: `Onde você está? Não é hora de mulher casada ficar na rua!.” Se eles saíssem juntos, a situação não era melhor. “Em churrasco de amigos, ele falava: ‘Para de dançar agora. Você está fazendo papelão, está ridícula’.”

As cobranças e insinuações negativas sobre seu comportamento provocaram tanta ansiedade que Paula engordou 23 quilos nos quatros anos de casamento – foi de 63 kg para 86 kg. “Eu só comia. De desespero. Não sabia o que fazer e descontava na comida”, conta. Para o marido, o novo peso dela virou mais um motivo para ofendê-la. “Se visse uma chamada no meu celular de um número estranho, dizia: ‘Você é uma gorda, uma vagabunda’”, lembra Paula, que só pôs um ponto final na situação em janeiro, quando eles se separaram.

Casos de violência psicológica – que era o que Paula sofria do marido – geralmente começam de um jeito bem disfarçado. A princípio, o ciúme doentio pode ser confundido com cuidado, e a humilhação pode soar como brincadeirinha. Aos poucos, a vítima vai ficando isolada (dos amigos, da família) e com a autoestima baixíssima, o que torna mais difícil uma reação. “Eu realmente passei a me achar um lixo, uma ‘balofa’, como ele gostava de me chamar”, diz Paula. “Não contava pra ninguém porque tinha vergonha. Fazia de tudo para o casamento dar certo. Poxa, eu finalmente tinha marido, casa, carro, tudo que era meu sonho.”

FALSA PROTEÇÃO

Parece até coisa de outra época, mas o receio de assumir que o casamento ou o namoro não está funcionando ainda é um motivo que leva mulheres a se submeter à violência. “Para algumas delas, não ter um parceiro representa um fracasso. Em nome disso, qualquer coisa vale”, diz a psicanalista Carolina Scheuer, que está acostumada a receber em seu consultório pacientes que sofrem do problema. “Mesmo extremamente infelizes na relação, elas têm a sensação de amparo.”

Protegida”, embora apavorada, é como a assistente financeira Maria*, 28, se sente em relação ao ciúme do namorado – que já grampeou o telefone da casa onde ela mora com os pais e instalou um rastreador de informações em seu computador. Apesar de tudo isso, eles estão prestes a se casar, após três anos de namoro. “Não sei por que insisto. Acho que é para não ficar sozinha”, diz. “Não teria mais ânimo para conquistar ninguém. Sabe aquele ‘tá ruim, mas tá bom’?”

Uma mulher que embarca numa relação assim geralmente já está com a autoestima baixa antes de o namoro começar. E o que acontece em seguida só piora a situação. É por isso que virar o jogo exige muito esforço. “Depende da vontade dos dois em melhorar e do grau de violência e humilhação envolvido”, diz Carolina. “Quanto mais intenso for, menor a chance de mudança.”

As tentativas da publicitária Joana*, 27, por exemplo, não deram resultado. A gota d’água foi quando o namorado reclamou – durante uma transa – que ela estava com muita celulite no bumbum. “Pensei: `Não posso ter tão pouco amor próprio a ponto de achar isso normal’“, diz. Os comentários maldosos sobre o seu corpo eram frequentes. Quando ela usava biquíni, ele imitava barulho de pneu para insinuar que ela estava acima do peso.

Para o namorado, era uma “brincadeira” – mas estava longe disso. “Diversão é algo para ser vivenciado junto com o outro, e não por meio da desqualificação”, explica Adelma Pimentel, professora de psicologia da Universidade Federal do Pará – e autora do livro Violência Psicológica nas Relações Conjugais. Junto com o desrespeito, o domínio também é uma marca da violência psicológica. “Quando tudo o que a pessoa faz é ruim na opinião do outro, há desrespeito”, diz Carolina. “Já o domínio se expressa principalmente nas orientações de conduta. Como quando o homem diz: ‘Essa roupa é para vagabundas’.”

 

CONTROLE TOTAL

Outra forma comum de domínio é fazer com que a namorada se afaste dos amigos – e perca seus referenciais afetivos. Foi o que aconteceu no primeiro namoro da estudante de design Joyce B, 23. “Ele queria que eu vivesse só com ele. Até minhas amigas lésbicas eram uma ameaça!”, diz.
No começo, Joyce achava o ciúme do namorado “bonitinho”. “Pensava: `Ele me ama’.” Mas a situação chegou a um ponto em que, durante as viagens à praia com os amigos (dele, claro), o cara a obrigava a vestir as bermudas e camisetas dele, em vez de seus shorts e vestidos. “Até que passou a ameaçar ‘fazer uma besteira’ se eu terminasse. Quando percebi, não tinha mais para quem pedir ajuda.”

Como ela rompeu o ciclo? Admitindo aquele velho ditado: “Antes só que mal acompanhada”. “Dá para sobreviver em uma situação assim. Mas uma coisa é sobreviver, e outra é ter uma vida de verdade“, define, com perfeição, Carolina Scheuer.

SINAIS DE ALERTA

Um cara está cometendo violência psicológica contra a namorada quando…

//…quer determinar o jeito como ela se veste, pensa, come e usa as redes sociais.
// …critica qualquer coisa que ela faça – tudo que tem o dedo dela é ruim e errado.
// …desqualifica as referências afetivas dela. Ninguém mais pode ter importância na vida da namorada – nem amigos, nem família.
// …a xinga de “vagabunda”, “imprestável”, “retardada”…
// …promove situações de humilhação – que geralmente têm a ver com o corpo dela – disfarçadas de brincadeira.vv

Prefeitura de Santo Antônio dos Lopes vai pagar R$ 300 mil para Zezé de Camargo e Luciano sem licitação

Está ocorrendo uma espécie de esquema proveniente de organizações criminosas que se instauraram nas prefeituras do estado do Maranhão. As licitações (quando publicam), estão sendo divulgadas somente após os eventos. Prefeitos estão deixando de publicar os valores dos eventos que realizam em suas cidades, o que é uma improbidade administrativa. 

Um empresário (intermediador) do ramo de festas, vendeu para a prefeitura de santo Antônio dos Lopes o show da dupla Zezé de Camargo e Luciano por R$ 300 mil no dia 28 deste mês. Contudo as informações não são registradas com antecedência no Diário Oficial. Em Presidente Dutra ele também empurrou Amado batista por esse mesmo valor.

A programação do São João em Presidente Dutra saiu antes mesmo da licitação:

Além do valor, estas duas prefeituras tem várias coisas em comum, uma delas é que ambas não publicaram em Diário Oficial nenhuma licitação para a realização de eventos neste valor. Estão escondendo o valor destes shows.

Esse tipo de improbidade administrativa envolvendo São João, carnaval, aniversários das cidade e até mesmo shows evangélicos, está se tornando comum. É uma prática altamente organizada, tendo intermediador entre o prefeito e o escritório do artista, contratação de uma empresa para comprar as datas da banda negociada pelo intermediador do evento.

A dupla Zezé de Camargo e Luciano não está em seu melhor momento, o valor de R$ 300 mil está visivelmente exorbitante, visto que fãs da dupla estão decepcionados com a exposição exacerbada da vida de Zezé, onde em sinal de descontentamento os fã chegam ao ponto de abandonar o show (clique e veja aqui) . Amado Batista também não está desfrutando de uma boa fase, logo conclui-se que estas contratações poderão estar superfaturadas?

*Obs: Amado Batista ainda não divulgou em seu site pessoal a data do show em Presidente Dutrra, apenas a dupla Zezé de Camargo e Luciano que já fizeram a divulgação oficialmente.

Começa a festança junina em Rosário

Repleta de atrações, a programação tem início nesta sexta (23) e vai até o dia 2 de julho

Hoje, 23, a partir das 20h, os moradores de Rosário poderão aproveitar melhor a festa de São João, São Pedro e São Marçal. Isso porque a Prefeitura de Rosário abre, oficialmente, o Arraial Zé Nazar, localizado no Parque da Cidade, área central do município.

Diversas atrações irão se revezar durante esses 10 dias de festa. “Os shows foram programados para atender a todos os gostos. Teremos apresentações com bandas, grupos, cantores”, destaca a prefeita Irlahi Moraes (PMDB). Ao todo, 42 barracas, além do palco principal, estão disponíveis para os visitantes.

Dentre as atrações estão shows com bandas e artistas locais, grupos de dança e manifestações folclóricas maranhenses e de Rosário. “Criamos uma programação que incluísse todas as nossas tradições e brincadeiras que fazem parte de nossa cultura, que é tão rica”, explica o secretário Municipal de Cultura, Alaim Rogério Tavares.

Festa

Para a abertura do Arraial Zé Nazar, às 20h, estão confirmadas as apresentações de Gilvan da Mocidade, com o show ‘Acenda a Fogueira’, e da Banda Forró da Ilha.

No sábado, 24, dia de São João, a festa se inicia com a apresentação do Boizinho Encantado das Crianças (Dona Irene) e prossegue com a Dança Portuguesa Majestade de Portugal, às 20h e 21h, respectivamente. A noite se encerra com a Quadrilha dos Feios.

No domingo, 25, a programação se inicia às 20h, com a Dança Ritmo Quente de São Simão. Às 21h é a vez da Quadrilha Entra Duro Sai Mole, da Cidade Nova, que encerra a programação do final de semana.

Um prato cheio para a PF: prefeito manda sardinha e farinha como merenda escolar

Se fazer mau uso dos recursos estaduais está levando vários prefeitos a serem cassados, agora imagine fazer a mesma coisa com recursos federais? Aí vira caso de Polícia Federal. 

A situação caótica que vive a cidade de Santa Luzia do Paruá é comprovada e percebida até pelas crianças que usam a rede municipal de ensino. O prefeito Plácido Holanda está servindo sardinha com farinha como merenda escolar o povoado Bendito Mendes.

Sardinha com farinha é a merenda escolar oferecida na escola do povoado de Benedito Mendes, na última sexta-feira (16). A situação caótica que vive a cidade de Santa Luzia do Paruá é comprovada e percebida até pelas crianças que usam a rede municipal de ensino.

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) recomenda alimentos balanceados para serem servidos nas escolas, mas não é o que se nota em Santa Luzia do Paruá. A alimentação é balanceada com um pedaço de sardinha e 100 gramas de farinha.

Abaixo os demonstrativos do valor que a prefeitura de Santa Luzia vem recebendo por parte do governo federal para oferecer um lanche decente ás crianças do povoado de Benedito Mendes:

 

 

Decisão do TJMA protege juíza que faltou trabalho, diz advogado

Mozart Baldez é advogado

Informativo do SAMA

Decisão de um Tribunal que beneficia ilegalmente a pretensão de uma magistrada de base que faltou ao serviço foi denunciada pelo advogado sindicalista e agora quer puni-lo a todo custo com a ajuda dos super deuses seus colegas!

 

O erro capital do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão que envergonha a todos e chancelado pelo arbítrio da Polícia Militar chamada para garantir a sentença ilegal com armas ponto quarenta na cintura, por determinação de um desembargador de justiça (José Bernardo da Segunda Câmara Criminal ), pasmem!

O grave erro da Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão – avalizada pelo desembargador José Bernardo Silva Rodrigues, ocorrida no último dia 08 de junho , ao julgar na tora o recurso de correição parcial interposto pela corrigente juíza Josane Araújo farias braga , da Primeira Vara da comarca de Coroatá em face do corrigido juiz titular da sétima vara criminal da comarca de São Luís MA, que declinou da competência , com manifestação do MP, na apuração da queixa crime que Josane move contra Mozart Baldez, por haver este a denunciado nas redes sociais como presidente do SAMA – Sindicato dos Advogados do Estado do Maranhão de se encontrar fora do trabalho no horário de expediente quando respondia pelas duas varas e também pelo fato da seção de distribuição encontrar-se fechada.

No bairro onde se paga a maior taxa de IPTU, ruas alagadas engolem placas de carros

Pagar IPTU é uma obrigação de cada cidadão, mas é deve do prefeito cuidar da iluminação pública e das ruas da cidade, contudo não é o que se observa em São Luís.

No bairro mais requisitado da Ilha, a Penisula da Ponta d’Areia as ruas com buracos profundos estão “engolindo” literalmente as placas dos carros. Motoristas desavisados que se arriscam a trafegar nas proximidades do Lagoa Corporate se depara com enormes crateras.

Abaixo o amigo leitor poderá observar a situação de uma das ruas do bairro mais cobiçado da ilha:

O dono do carro que teve a placa roubada pelo buraco, arrumou até um nadador profissional para ajudá-lo a encontrar o que lhe foi tomado. E pasmem: o nadador encontrou diversas placas dentro do buraco, que irá deixar no Posto BR, na Lagoa.

VITÓRIA DO MEARIM: Prefeita determina intervenção para melhoria da rede iluminação pública do Município

Mais uma iniciativa arrojada da gestão da prefeita Dídima Coêlho (PMDB) na cidade de Vitória do Maerim.

A gestora peemedebista determinou uma radical intervenção nos  serviços de iluminação pública do município, objetivando, com isso, dentre outros benefícios, oferecer mais segurança a população vitoriense. Os trabalhos que estão sendo iniciados, compreendem:

1- Limpeza da Rede de Iluminação Pública;
2- Retirada de Reatores queimados;
3- Substituição de lâmpadas queimadas por lâmpadas de LED;
4- Recadastramento dos pontos de iluminação, e
5- Revitalização da Rede de Iluminação Pública do bairro Realdo.

Com o inicio desses trabalhos, já se percebe mudança na iluminação da cidade de Vitória do Mearim.

Os pontos escuros estão sendo gradativamente iluminados, o que deixa a cidade mais segura e mais bela.

Abaixo, flagrantes de trabalhadores executando os trabalhos.

(Com informações do blog Vitória do Mearim em Foco)

Ex-cantora do Cavaleiros do Forró morreu quando se dirigia á uma entrevista

Eliza vinha no banco de trás de um Gol prata quando em um cruzamento o carro em que a cantora estava foi atingido. Ela estava se dirigindo para uma entrevista em uma rádio de Aracaju, quando o acidente aconteceu. A apresentadora do programa que esperava pela cantora estranhou a demora e infelizmente minutos após teve que noticiar esta fatalidade de que sua entrevistada havia falecido.

A morte da cantora Eliza Clivia abalou os forrozeiros agora no início da tarde de hoje (16). Ela que foi ex-vocalista do Caveleiros do Forró, que ficou muito conhecida pela sua voz marcante no forró romântico.

Eliza teve uma carreira imortalizada pelo forro das antigas, onde belíssimas canções românticas foram interpretadas pela voz da cantora.