Pabllo Vittar fala de surra que levou em Santa Inês e leva imagem negativa do Maranhão mundo afora

A Drag Quen mais poderosa do país, Pabllo Vittar, voltou a falar sobre a infância sofrida que teve na cidade de Santa Inês. A cantora conta que foi espancada dentro da escola em seu primeiro dia de aula. Ela revela de forma chocante que a direção e professores eram omissos. Que viam as agressões e nada faziam. 

Quando Pabllo fazia apenas a quinta série do ensino fundamental na cidade de Santa Inês, durante seu primeiro dia de aula, levou uma surra. Ela conta que após apanhar recorreu á direção da escola, aos professores e ninguém interviu na situação, ou seja, foi agredida por conta de sua orientação sexual e “ninguém se importou”.

Pabllo faz a linha “abusada”, mas já deu maior duro na vida pra chegar onde chegou. O Maranhão para ela, nem a passeio mais. Apenas serve como referência de lembranças negativas. Abaixo o vídeo: 

Outro momento em que Vittar falou sobre o mesmo assunto:

Pessoas próximas a cantora afirmam que a drag não gosta do Maranhão, pois este estado só a faz ter lembranças horríveis. Onde quer que vá, ela faz questão de enfatizar nas entrevistas os bullying que sofreu em sua terra natal. Não costuma a tecer elogios, boas recordações, nem agradecimentos, mesmo após ter sido homenageada com uma honraria pelo deputado estadual Neto Evangelista. 

A homofobia fez com que a drag quisesse distância do Maranhão, pisa aqui somente se for para ganhar um cachê gordo e olhe lá…

 

7 Replies to “Pabllo Vittar fala de surra que levou em Santa Inês e leva imagem negativa do Maranhão mundo afora”

  1. Adorei amiga, bem homofóbica vc, né? Em vez de reconhecer as dificuldades que a população LGBTQ tem não só no Maranhão, mas em TODO O PAÍS, vc faz é reforçar um preconceito enorme. Ótima a contribuição com o universo, está de parabéns!!!

  2. Realmente em Santa Inês a direção e professores são omissos. É triste saber das escolas (que são para educação) é o lugar mais ignorante da cidade.

  3. Eu ainda não perecbi se “ela ou ele” se assume como travesty ou não. Se no dia a dia a sua forma é feminina ou é só e apenas para os espectáculos. Se ele/ela se assume como travesty ou como transsexual, tem a minha admiração pela sua franquesa. Se é só e apenas para os espectáculos, É como denegrir a imagem desse ser matravilhoso, a “Mulher”, não me merece qualquer tipo de respeito ou simpatia.. Desculpem aos que não concordam

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *