Professores de Santa Inês decretam greve após afronta à categoria

Em assembleia geral, os professores do município de Santa Inês decretaram nesta sexta-feira (11/02) greve por melhorias salariais e a falta de cumprimento das leis que regem a questão dos trabalhadores na educação.

O prefeito concedeu apenas 3% do reajuste decretado pelo governo federal. Fazendo com que cerca 1200 professores cruzassem os braços e decretassem greve no município de Santa Inês. Os educadores ganharam apoio do presidente da Câmara e de alguns vereadores. Apesar da prefeitura ter espalhado fake news essa semana, com o objetivo de manipular a categoria e confundir a opinião pública, a greve foi decretada e já é uma realidade.

Segue a nota da Direção-geral do Sinproesemma e membro da Comissão de Organização da greve.

Caros(as) professores (as), boa tarde.

Hoje pela manhã a categoria de educadores da rede municipal deliberou de forma unânime pela greve geral por tempo indeterminado, e em seguida, caminhamos em carreata e concentração em frente a prefeitura. Para nossa surpresa fomos convidados pelo presidente da câmara de vereadores, senhor Josino Catarino, para uma conversa com a presença da maioria dos integrantes da casa.

Após a referida conversa ficou acordado os seguintes encaminhamentos:

✓ Tão logo o gestor chegue de viagem, os vereadores buscaram sentar com o mesmo para discutir as revindicações dos professores;

✓ Na sequência, agendar reunião conjunta (prefeito, vereadores, sindicato e categoria) o mais breve possível, mas tardar segunda ou terça feira, para tratar a questão do reajuste salarial.

Cabe destacar que o movimento de greve continua. No final da tarde de hoje a Comissão de Organização da greve estará reunida no sindicato para tratar e planejar a organização das nossas atividades para a próxima semana. A categoria deve ficar atenta para o cronograma de atividades que será divulgada nos grupos Sinproesemma.

Avante, a luta continua!!

Antônia Pinheiro/Direção Geral do Sinproesemma e membro da Comissão de Organização da greve.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.