Corpo de Rian Brito, neto de Chico Anysio, é encontrado, diz Defesa Civil

Do Ego

‘O local é distante, com muita areia, mas identificaram por causa da pulseira e da correntinha que ele estava usando’, disse o tenente Amaro Garcias.

Rian Brito e o pai, Nizo Neto (Foto: Reprodução/Facebook)
Rian Brito e o pai, Nizo Neto (Foto: Reprodução/Facebook)

O corpo de Rian Brito, neto de Chico Anysio, foi encontrado em Quissamã, no Norte Fluminense, nesta quinta-feira, 3, mais precisamente na Vala da Lagoa Preta, no Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba. A informação foi confirmada ao EGO pelo tenente Amaro Garcias, coordenador de Defesa Civil de Quissamã, primeiro a chegar ao local.

“É ele. O local é distante, com muita areia, mas identificaram por causa da pulseira e da correntinha que ele estava usando. Pelas caracaterísticas, o corpo é dele. O corpo estava deformado, sem os olhos, sem as orelhas. Estava só de bermuda. Com certeza ele morreu no mar”, declarou o tenente, que ainda revelou que Rian estava a 25 km de onde seus documentos foram encontrados.

O corpo foi encontrado 8km antes do farol da Praia de Flexeiras graças a uma denúncia que chegou até a Defesa Civil de Quissamã e à Guarda Municipal. “Viemos com as polícias Civil e Militar de Quissamã usando viaturas de tração porque não é possível chegar em um carro comum. A nossa luta foi grande e envolveu a Defesa Civil, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), os bombeiros de Campos e Macaé, foi um esforço em conjunto”, contou Amaro.

Sem título
Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba (Foto: Divulgação/Rômulo Campos/ICMBio)

Corpo está a 25 km do local onde pertences foram encontrados
No começo desta tarde, o corpo estava na área da praia aguardando a perícia e a família ainda não tinha acesso a ele. Emocionado, Amaro lamentou não ter encontrado Rian com vida. “Tenho 33 anos de carreira e a gente sempre se sensibiliza com a dor da família. Ontem mesmo eu disse à mãe dele, que estava muito desesperada, que iria trazer o filho dela de volta. O pai também estava muito emotivo. É um sofrimento. Nosso lema é: ‘Vidas alheias e riquezas salvar, arriscando a sua própria vida para salvar e resgatar aquilo que não nos pertence’. Foi uma luta incessante de todos nós”, comentou. Segundo o tenente, o corpo foi encontrado num local muito afastado de onde estavam os pertences de Rian. “Uns 25 km. O mar jogou ele. Está entre o mar e a lagoa”, falou.

Corpo deve ser levado ao  IML de Macaé no fim da tarde
Pouco depois, Amaro foi buscar o perito e o rabecão dos bombeiros na Defesa Civil da cidade para realizar a retirada do corpo.

“Tudo indica que ele foi tomar banho de mar e o mar bravo o engoliu. Mas isso é uma suposição”, falou o tenente, que retornou à delegacia de Quissamã por volta das 13h para agurdar o carro da funerária, que levará o corpo do local onde foi encontrado até o IML de Macaé.

As buscas por Rian recomeçaram às 5h desta quinta-feira, 3, e, segundo o coordenador de Defesa Civil de Quissamã, a equipe contou com o apoio de um helicóptero da Petrobras a pedido do ICMBio, responsável pelo parque nacional que abrange a região. “Os bombeiros estão investindo mais na lagoa e e na área marítima com moto aquática sob o comando do major Chincado. A guarda ambiental de Macaé, junto com a guarda de Carapebus e o grupo de defesa civil de Quissamã estão fazendo o patrulhamento terrestre numa área de mata de 15 km”, informou

Entenda o caso
Rian Neto estava desaparecido desde o dia 23, quando foi deixado pela mãe na autoescola em São Conrado, na Zona Sul do Rio. As últimas imagens registradas mostram ele saindo do shopping Fashion Mall e entrando sozinho em um ônibus para Quissamã. Câmeras do centro comercial fizeram imagens do desaparecido entrando em um táxi. No shopping, o filho de Nizo Neto fez um saque bancário, mas o valor ainda não foi divulgado. Rian desapareceu quando foi deixado pela mãe na porta do curso de autoescola, em São Conrado, na Zona Sul do Rio. Desde então nunca mais foi encontrado.

Desabafo dos pais
Márcia Brita, mãe de Rian, fez um post em sua página no Facebook na madrugada desta quinta, 3, reclamando dos comentários sobre os detalhes do desaparecimento de Rian. “E parem de dizer que Rian deixou seus pertences ali para ser ou não achado. Nada a ver com ele. Esta era a forma de colocar nossas coisas que o ensinei quando vamos à praia e com frequência e sempre levamos poucas coisas: colocamos nossas havaianas embaixo e as coisas dobradas em cima, algo de valor dentro, para mergulharmos”, escreveu ela. Na segunda-feira, 25, foram encontrados roupas e documentos do jovem em uma área isolada, de mata virgem e difícil acesso, localizada entre a Lagoa do Paulista e o mar, em Quissamã.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.