Tatá Werneck confirma que Emilly foi de penetra para sua festa

A festa de Tatá Werneck está rendendo até agora. Após afirmar no Twitter que a ex-BBB Emilly Araújo foi de penetra na festa e o assunto tomar grandes proporções, Tata liga para Emilly para esclarecer os pontos.

De fato a Emilly não foi convidada para o aniversário da atriz e apresentadora, mas apareceu por lá do mesmo jeito. Tata alega que amou conhecê-la, mas deu a entender em sua nota que apesar de não ter se incomodado com a presença da Emilly e que assim surgem novas amizades, ou seja, não foi convidada.

A sessão de micos não parou por aí, ainda pouco em seu Twitter, Tata fez várias declarações, uma delas, ela desabafa que se sentiu mal por ter criado “confusão”. É proibido ser sincera no Brasil, só pode.

Na mais recente publicação Tatá desabafou de vez, após sofrer inúmeros ataques por parte dos Tem Emilly, onde a atriz disse que não deixaria de convidar pessoas mais próximas á ela para convidar a Emilly só pelo fato da mesma ser “famosa”.

Parece que a campeã do BBB 2017 não consegue dá close certo, sempre tentando se enturmar com os “PICAS” e no final é passando vergonha. Até com a Bruna Marquezine ela pagou mico ao tentar tirar fotos com a ex de Neymar. 

 

Mulher é espancada pelo próprio marido que assediava suas amigas

Uma mulher que foi terrivelmente agredida pelo ex, decidiu usar as redes sociais para desabafar e contar a realidade vivida por inúmeras mulheres no Brasil: a violência doméstica. Crisllayne Santos alerta outras mulheres quanto a questão de homens violentos. 

Ela conta que vivenciou momentos terríveis, pois viu seu próprio companheiro assediar várias vezes colegas suas dentro do carro do casal sem nenhum pudor. O rapaz costumava xingar as amigas de Crisllayne  com palavras de baixo calão. Ele era agressivo e ciumento.

Um dia ele usou da força física em um discussão que o casal travou após Crisllayne olhar o marido dando em cima de uma colega.

Abaixo o desabafo da vítima:

 

Forró dos Plays encerra as atividades; desde a saída de Samyra Show a banda caiu no ostracismo

Quem ainda lembra da banda Forró dos Plays? Pois foi uma das bandas mais queridas há mais ou menos dez anos atrás. Teve uma história bonita, mas chegou ao fim nesta última sexta-feira dia 11. 

Forró dos Plays – CD Pra Paredão de Dezembro 2012

Desde a saída de Samyra Show a banda se tornou fraca, sem grandes músicas ou artistas com força para levar a banda adiante.

Samyra Show, ex-Forró dos Plays também não emplacou a sua carreira. É uma cantora mediana que teve passagem pelo forró 100%, mas também não conseguiu destaque.

 

 

“Pastor Prostituto” volta a atacar mulheres casadas em São Luís

Mais um escândalo está prestes a estourar no mundo gospel de São Luís. Existe um pastor que copia a personalidade e até a aparência de um pastor famosíssimo no país, que está importunando várias mulheres casadas e até saindo com elas.

O histórico deste pastor é sombrio, ele é o mesmo que agenciava garotas de programa para outros pastores que vinham fazer pregações nos congressos evangélicos  nos anos de 2013, 2014, 2015. Ele levava vários pastores, inclusive um que mora nos Estados Unidos para dentro de um cabaré de luxo da cidade para se prostituirem e usarem pó. Coisa pesada mesmo.

O fato é que esse pastor não se manca, ele continua com seus assédios, corrupções, prostituições dentre outros.

Ele estava cantando uma irmã de sua congregação que é casada. A jovem mantinha conversas com o Pastor Prostituto todos os dias, até que descobriu que o marido havia clonado o número de seu WhatsApp. As conversas passaram a ser monitoradas, o marido desconfiado descobriu todas as investias do pastor em cima de sua esposa e iniciaram um embate via Zap.

Vejam:

Bruna Marquezine se recusa a tirar foto com Emilly Araujo: estou aqui pela Tatá

Que vexame!!

A ex-BBB Emilly Araujo tem o botãozinho que aperta o play para passar vexames incríveis. Além de ter aceitado ir na festa da Tatá Werneck sem ter sido convidada de e ser classificada pela dona da festa como “penetra”, ela, como forasteira no ambiente ainda tenta tirar fotos com Bruna Marquezine.

A atriz global recusou-se a ser fotografada com ex-BBB mais odiada do Brasil. Ela foi bem clara “estou aqui pela Tata”, disse Bruna.

Algumas fontes revelam que Bruna Marquezine é cabreira com Emilly Araujo pela fato da ex-sister estar tentando pegar uma carona e cercar seu ex-namorado, o jogador Neymar Junior.

Emilly que recentemente foi alvo de publicação no Instagram de Neymar, pensou que iria ser tratada com cordialidade por Bruna Marquezine. Ao que tudo indica a carreira de Emilly parece que não irá decolar, a jovem vive metida em polêmicas negativas.

 

Mulher flagra ex-namorado dormindo com a melhor amiga na cama e descobre gravidez

A jovem Rayssa Lucena pegou o seu ex-namorado na cama com uma amiga.  Ela terminou o namoro com o rapaz havia um mês, mas ambos sempre estavam juntos, com planos para reatarem o namoro.

Ontem (13), Rayssa chega na casa de seu ex/futuro namorado e faz um flagrante decepcionante: sua grande amiga de escola deitada abracadinha com o boy de ouro, na cama da casa dele.  Rayssa se descontrolou e queria partir para agressão, quando ouviu da boca da ficante de seu ex que estaria grávida de meses.

Um choque muito grande esse, imaginem a situação da Rayssa. Mas também é aquele ditado voltar com ex é igual comprar carro velho volta pra gente com os mesmos problemas e até piores. Ela estava toda animada, fazendo planos de reatar, de recomeçar a relação, mas foi impedida por uma grande decepção.

E você, o que faria ao se deparar com esta cena?

 

 

Ana do Gás, prefeito Deusimar Serra e vereadores cobram ações do governo para Paulo Ramos

Na tarde da última quarta-feira (9), o governador Flávio Dino recebeu no Palácio dos Leões a deputada Ana do Gás acompanhada do prefeito Deusimar Serra e uma comitiva de lideranças da cidade de Paulo Ramos para reunião onde foram levadas importantes demandas e solicitações de ações e programas do governo do Estado para que sejam executadas em parceria com a prefeitura e possam sanar carências do município.

Dentre as principais solicitações feitas ao governador, destacam-se a reforma do Hospital Municipal, a qual o governador prontamente se comprometeu em agilizar e a estrada que liga Paulo Ramos a Arame, um sonho antigo da população local e que hoje está bem próximo de virar realidade.

Vale lembrar que gestão de Flávio Dino já contemplou a cidade de Paulo Ramos com inúmeros benefícios através de programas estaduais como reforma de escolas, poços artesianos para melhoria da distribuição de água, ambulância, asfaltamento e que conta ainda com o importante trabalho em parceria da deputada Ana do Gás.

Além do prefeito Deusimar Serra, a comitiva de Paulo Ramos estava composta também pelo vice-prefeito, Francimar Oliveira, pelo presidente da Câmara, Francisco Santana, pelo filho do prefeito, João Neto e pelos vereadores Ivan matos, Fladilson, Franceilson, Corina Oliveira, Afrânio, Weltran, Sandro César e Moabe que reforçaram as solicitações.

Essa reunião é uma demonstração clara de que a política de diálogo do Governo com os municípios continua fluindo positivamente, gerando mais segurança para os administradores municipais exercerem suas funções públicas com mais confiança. Também estiveram presentes no encontro os Secretários de Estado Marcelo Tavares, da Casa Civil e Márcio Jerry, de Comunicação e Assuntos Políticos

“Restaura Tua casa , Senhor! Acaba o show restaura o louvor”

“Deve uma igreja cristã envolver-se em campanha política?”. Esta pergunta é pertinente em nossos dias, pois corriqueiramente em épocas de eleições se vê igrejas transformando seus púlpitos em palanques eleitorais e trocando as músicas feitas para Deus por jingles de campanha.

 

É de Bertold Brecht (1898-1956) o seguinte pensamento: “O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, não participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio depende das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito, dizendo que odeia a política. Não sabe que de sua ignorância nasce à prostituta, a criança abandonada, o assaltante e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e o explorador das empresas nacionais e multinacionais”.

O cristão como cidadão de uma sociedade democrática e pluralista deve desenvolver uma correta consciência política, interferir nos destinos da nação por meio do voto e participar da vida pública candidatando-se a cargos públicos. O cristão não deve ser um alienado político. Mas, e a Igreja cristã como instituição divinamente estabelicida por Deus deve envolver-se na política e em suas campanhas eleitorais?

Creio que, devido ao princípio da separação entre a Igreja e o Estado, a Igreja não deve tomar partido deste ou daquele candidato, ou deste ou daquele partido político. Isso significa que não é eticamente correto transformar o púlpito da igreja num “palanque” eleitoral, nem tampouco a Igreja assumir qualquer responsabilidade política, secretaria ou ministério seja do governo municipal, estadual ou federal.

 

Quando uma igreja apóia abertamente um candidato ou um partido político ou uma coligação está se colocando politicamente contra uma parcela da sociedade que não apóia tal candidato ou tal partido político. Ou seja, quando uma igreja se torna politicamente amiga de um grupo, automaticamente se torna inimiga de outro. Isto é totalmente contraditório à natureza da Igreja e à sua missão na terra que é atrair todos os homens para Cristo, através da fé em Jesus.

 

O partidarismo político na Igreja é um grande obstáculo e um enorme empecilho para a evangelização dos homens. Aliás, a evangelização, o anúncio das Boas Novas, é um dos grandes propósitos de Cristo para sua Igreja. O partidarismo político faz a igreja ir à contramão desse grande propósito. Com certeza isso é algo que não agrada o coração de Deus.

E o cristão? É lícito ao cristão candidatar-se a um cargo político? Acredito que, embora a Igreja deva ser “apolítica”, seus membros têm o direito como cidadãos de um país democrático de se candidatarem e se elegerem para cargos políticos, fato este que deve ser encorajado a fim de que haja a transformação da nossa sociedade em uma sociedade mais justa e piedosa.

 

Nada há na Palavra de Deus que proíba o cristão de filiar-se a um partido político e candidatar-se a um cargo público. Pelo contrário, a Bíblia relata a história de grandes homens de Deus que assumiram funções políticas: José, primeiro-ministro do Egito; Davi, rei de Israel; Josias e Ezequiel reis de Judá; Daniel, um dos ministros de Estado do reino da Pérsia; Mordecai, primeiro-ministro na Pérsia; Neemias, governador de Judá após a volta do cativeiro; etc.

Devido à corrupção que impera na política brasileira, a sociedade clama por homens e mulheres que levem a sério os cargos públicos para os quais foram eleitos pela população. Isto mostra que o meio político precisa cada vez mais de políticos cristãos comprometidos com Deus e com a sociedade.

 

Todavia, diante desta grande e urgente necessidade, particularmente vejo uma problemática que a igreja tem diante de si e que precisa ser resolvida. O grande desafio para a Igreja é encontrar alternativas e meios de eleger candidatos cristãos comprometidos com Deus e com a sociedade, sem transformar o púlpito da Igreja em “palanque” político, e sem usar a Igreja como instrumento de manobra das massas.

 

Precisamos também fazer algumas indagações: a grande maioria dos políticos que se dizem cristãos têm realmente exercido influência positiva na política, ajudando efetivamente a transformar para melhor a sociedade brasileira? A medida que elegemos mais e mais cristãos tem diminuído os índices de criminalidade e corrupção no Brasil afora? Os políticos “cristãos” têm sido verdadeiramente “sal da terra e luz do mundo” conforme Jesus ordenou? Não têm sido alguns políticos “cristãos” encontrados envolvidos com a corrupção? Quantos políticos nominalmente cristãos que se elegeram levantando a bandeira do evangelho estão envolvidos nos escandalosos “mensalões” da vida pública, não somente em Brasília, mas em todo o País? Uma vergonha! Precisamos pensar, refletir, sobre esta triste realidade…

 

E na hora de votar? Qual deve ser a postura do cristão? Como se deve escolher em quem votar? Creio que devemos sempre nos fundamentar nestes princípios do voto ético:

 

1. O voto é intransferível e inegociável. Com ele o cristão expressa sua consciência como cidadão. Por isso, o voto precisa refletir a compreensão que o cristão tem de seu País, Estado e Município.
2. O voto é uma questão de consciência pessoal. Portanto, o cristão não deve violar a sua consciência política. Ele não deve negar sua maneira de ver a realidade social, mesmo que um líder da igreja tente conduzir o voto da comunidade numa outra direção.

 

3. Os pastores e líderes têm a obrigação de orientar aos fiéis sobre como votar com ética e com discernimento. No entanto, devem evitar transformar o processo de elucidação política num projeto de manipulação e indução político-partidário. A diversidade social, econômica e ideológica que caracteriza a igreja evangélica no Brasil deve levar os pastores a não conduzir processos político-partidários dentro da igreja, sob pena de que, em assim fazendo, eles dividam a comunidade em diversos partidos.

 

4. O pastor não deve permitir que candidatos, partidos ou coligações usem a ele próprio e a igreja como “cabos eleitorais” de campanha política. A igreja não deve ser usada como palanque político para manobra das massas.
5. É fundamental que o candidato evangélico queira se eleger para propósitos maiores do que apenas defender os interesses imediatos de um grupo ou de uma denominação evangélica. É óbvio que a igreja tem interesses que passam pela dimensão política. Todavia, é mesquinho e pequeno demais pretender eleger alguém apenas para defender interesses restritos às causas temporais da igreja. Um político evangélico tem que ser, sobretudo, um cristão na política, e não apenas um “despachante” ou “office-boy” de igrejas.

 

6. Não basta o candidato ser crente, irmão na fé, honesto e ter boas intenções. É preciso avaliar se tal pessoa possui qualificações e vocação política para o cargo, mesmo que não tenha experiência política. O que deve ser observado no candidato:

 

a) Se o candidato é uma pessoa lúcida, que já está envolvida em causas sociais, e comprometida com as causas de justiça e da verdade.

 

b) Se possui uma ideologia social e político-partidária clara e definida. A grande maioria dos candidatos nem sabe o que é isso. Estão em determinado partido não pela sua ideologia político-social, mas pelas chances que tal partido lhe dá de ganhar as eleições.

 

c) Se é um bom administrador, tanto de sua vida pessoal quanto de seus negócios.

 

d) Se possui um plano de governo e propostas claras e tangíveis.

 

7. Não basta o candidato ser carismático, falar bonito ou sair bem na foto. É necessário analisar se tal candidato possui qualificações e vocação política para o cargo, se é honesto e trabalhador. É importante também saber qual é a posição do candidato sobre questões morais e religiosas.
8. Se alguém está pensando em votar em um candidato que já exerceu ou está exercendo um cargo político, deve procurar saber quais foram as suas realizações e projetos durante o seu mandato. Não adianta, por exemplo, um vereador apresentar vários projetos se nenhum deles traz benefícios práticos à população (nome de rua, honra ao mérito, data comemorativa, etc.).

 

9. Os fins não justificam os meios. Portanto, o eleitor cristão não deve jamais aceitar a desculpa de que votou em um determinado candidato apenas porque obteve a promessa de que, em fazendo assim, ele conseguirá alguns benefícios para a igreja, sejam rádios, concessões de TV, imóveis, linhas de crédito bancário ou outros “trocos”, ainda que menores. É verdade que nos bastidores da política haja acordos e composições de interesse, entretanto, admitir que tais “acertos” impliquem a prostituição da consciência de um cristão, mesmo que a “recompensa” seja, aparentemente, muito boa para a expansão da causa evangélica. Afinal, Jesus não aceitou ganhar os “reinos deste mundo” por quaisquer meios. Ele preferiu o caminho da cruz.

 

10. Os eleitores evangélicos devem votar nos candidatos de sua escolha, sobretudo, baseados em programas de governo, e não apenas em função de “boatos” do tipo: “O candidato tal ateu”; ou: “O fulano vai fechar as igrejas”; ou: “O sicrano não vai dar nada para os evangélicos”; ou ainda: “O beltrano é bom porque dará muito para os evangélicos”. É bom saber que a Constituição do Brasil não dá a quem quer que seja o poder de limitar a liberdade religiosa de qualquer grupo. Além disso, é valido observar que aqueles que espalham boatos, quase sempre, têm a intenção de induzir os votos dos eleitores assustados e impressionados, na direção de um candidato com o qual estejam comprometidos.

 

11. Nenhum eleitor evangélico deve se sentir culpado por ter opinião política diferente da de seu pastor ou líder espiritual. O pastor deve ser obedecido em tudo aquilo que ele ensina sobre a Palavra de Deus, de acordo com ela. No entanto, no âmbito político, a opinião do pastor deve ser ouvida apenas como a palavra de um cidadão, e não como profecia divina.
Por fim, quero concluir falando sobre a compra de votos. O que significa a “compra de votos”? A compra de votos é o ato do candidato que propõe ao eleitor que este lhe dê o seu voto, em troca de algum bem ou vantagem que lhe é entregue ou oferecido.
A criatividade para conseguir o voto do eleitor não tem limites quanto aos bens e vantagens pessoais oferecidos, especialmente diante de tantas carências populares. Segundo uma pesquisa, a lista é longa e vai desde alimentos básicos diversos tais como açúcar, óleo, sal, tíquetes de leite, bebidas, dentaduras, óculos, sapatos, roupas, ajuda para obter documentos, pagamento de fiança de presos, cimento, areia, pedra, tijolos e outros materiais de construção, além de ferramentas, insumos agrícolas, uniformes para clubes esportivos, bolas e redes, enxovais, cobertores, berços, etc. Uma lista sem fim que expõe todas as dificuldades vividas pelo povo brasileiro.

 

O artigo 299 do Código Eleitoral brasileiro (Lei no.4737, de 15 de julho de 1965) estabelece que a compra de votos de eleitores é um crime com a pena prevista de até 4 anos de reclusão, além de multa. Além da prisão, o candidato deixará de ser candidato tendo seu registro cassado pelo Juiz Eleitoral.

Termino citando as palavras de Jesus à Poncio Pilatos, momentos antes de sua crucificação: “Nenhuma autoridade terias… se de cima não te fosse dada” (Jo 19:11).

A Deus seja a glória!

 

Esta mensagem foi também publicada no blog do Pr. Marcelo Rodrigues (Clique e acesse)

Chiador foi ao céu reforçar o Batalhão de Couxinho, Humberto, Papete e outros!

Mozart Baldez é advogado.

João Costa Reis, o João Chiador, um dos maiores cantadores de boi de todos os tempos nos deixou na tarde do último domingo (06/08/17), abrindo um grande clarão na cultura popular do Maranhão. Ele era filho de Cândido Bento dos Reis, ex cantador do Boi de Maracanã e Clara Costa Reis.

Enquanto o povo chora a sua partida para a eternidade o batalhão do céu vai se reforçando cada vez mais com a chegada de Coxinho , Humberto de Maracanã, Papete e agora Chiador que é primo de guriatã.

“Nasci para cantar boi”, afirmava Chiador em qualquer conversa de botequim quando o assunto era o folclore. O pai cantador, o irmão cantador e o avô cantador. João dizia que era cantador ainda na barriga da mãe.

João Chiador iniciou a vitoriosa e brilhante carreira em Tajaçuaba. Sua estreia oficial como cantador foi no boi na Maiobinha. Convidado por Luís Gonzaga Danavó, foi parar na Maioba. O apelido de Chiador veio da Maiobinha, quando fazia uma apresentação no Bairro de Fátima e o som chiava muito.

Por trinta e dois (32) anos ele cantou no Batalhão da Maioba. Depois foi para o Boi de São José de Ribamar onde aposentou contra a sua vontade por problemas de saúde. A sua forma de cantar e compor era incomparável. Não sabia ler nem escrever mas sabia ouvir como poucos. Assim assimilava as letras que recebia e que ele próprio compunha. A trupiada do seu batalhão fazia a diferença quando chegava arrebentando tudo nos arraiais, ruas, esquinas e terreiros da ilha e além limites: sempre foi pesado.

Em outros tempos, quando iniciou na cantoria, não havia sofisticação para o boi se apresentar com parafernália de microfones sem fio, ar condicionado, luzes pirotécnicas , palanques, toneladas de mega sons, etc.

Naquela época cantador de boi de verdade puxava a toada no sereno da noite no gogó, sob a proteção de Deus, São João e dos candeeiros, lamparinas ou petromax . Durante o dia ou no amanhecer o boi guarnecia e dançava com sol ou chuva. Tinha que ter garganta. E Chiador tinha de sobra todos esses ingredientes.

Ele viveu na verdade as duas eras dessa maravilhosa manifestação popular: presenciou praticamente os caminhões serem aposentados , salvo para transportar os caboclos de pena. E boeiro agora anda de ônibus confortável. Chiador que gravou toadas nos terreiros em gravadores com fitas cassetes, também entrou para a era dos LPs , DVDs, CDs e pendrives. João está no You Tube cantando boi e essa inédita lembrança ficará para sempre.

Ele foi pioneiro na arte e maestria de compor e interpretar temas históricos e de preservação da natureza. O ritmo que ele impunha a seu batalhão lhe garantiu o título de cantador de melhor melodia no sotaque de matracas.

O Maranhão está de luto. Em particular Maioba e Ribamar. Maracanã também. Foi lá que ele nasceu. Lembro como se fosse ontem quando ainda criança ele passava gritando ‘’CAMARÃO’’, pelo bairro do Apeadouro ,todos os sábados ao meio-dia, a pé, carregando sobre os ombros uma lata de querosene cheia do pescado. Meu pai Mozart, já falecido, seu amigo e conterrâneo , comprava todo o camarão que ainda restava e em seguida chamava os amigos para ouvirem até o final da tarde as grandes toadas do artista, regadas a camarão frito e faixa azul (nome que davam à cerveja Antárctica).

Certo dia ouvi atentamente a história narrada por José Inaldo, Presidente do Boi da Maioba sobre a saída polêmica de João Chiador daquele batalhão indo em seguida para Ribamar. Foi um ”dia de cão”. A Maioba ficou chocada com a notícia de sua saída – disse Inaldo. ‘’Bem próximo da temporada junina perdemos o nosso cantador para o maior rival ‘’, arrematou.

Um de seus maiores sucesso foi a toada ‘’nossa senhora mãe aparecida’’. E foi ao som dela que ele foi levado para a última morada, certamente no colo da santa que sempre referendava nas noites juninas.

Chiador era uma espécie de Cartola da música carioca. Ambos eram de origem humilde. Mas cantavam e compunham como grandes intelectuais. Chiador vendia carne, peixe , camarão, para sobreviver e Cartola era mestre de obra.

Nenhum deles pegava no dicionário porque não sabiam ler e nem escrever. Era um mistério. Nas composições , cada um em seu gênero. Como esses homens encantaram o mundo cantando o que não estudaram? Isso é coisa de Deus – dizia Cartola. E João, devia ter dito : – coisas de São João. Adeus meu velho. Vai com Deus!

MOZART BALDEZ
Advogado
Presidente SAMA